Home > Artigos > Detalhe do artigo

A Empresa dos Sonhos

Todo profissional sonha com um lugar imaginário onde ele será bem remunerado, com um ambiente acolhedor, equipe de trabalho parceira e um chefe amigo. Talvez o lugar ideal só exista no imaginário dos profissionais, mas muitas empresas hoje conseguem ter uma proposta de trabalho atraente e um alto grau de retenção de seus profissionais.

Dentre os fatores que mais motivam as pessoas a ingressarem em uma organização encontram-se: remuneração, perspectiva de carreira, benefícios e o escopo de trabalho em si. Contudo, diversas pesquisas apontam que o que retém um profissional em uma empresa é o clima organizacional, respeito e alinhamento de interesses.

Clima: as pessoas procuram um lugar de trabalho que tenha camaradagem. Onde as competições internas sejam disputadas de forma sadia e honesta. Que, no momento de trabalhos estressantes, as mesmas se sintam apoiadas e mesmo nas situações onde o erro aconteça, este seja trabalhado como oportunidade de aprendizagem. Procuram amigos profissionais, chefes acolhedores e não persecutórios, gente que busque trabalhar em equipe, e mesmo que esta busca seja árdua, que o dia-a-dia e as escolhas organizacionais fortaleçam os mesmos neste sentido.

Ninguém que possa escolher prefere empresas onde ainda exista a cultura do desrespeito, da exposição gratuita do empregado. A agressão moral, o desmando e a bajulação são práticas que vem sendo extintas e onde sobrevivem certamente diminuem a competitividade das organizações, pois afastam quem se desempenha bem e leva as relações internas a um nível com contornos duvidosos. Nesta discussão também se insere a limitação dos espaços gerenciais. Gerente não é operário, precisa ter espaço de atuação e sua posição resguardada sob pena de descrédito perante suas equipes.

Alinhamento de interesses é a bola da vez e compõe o pano de fundo de uma discussão que é a primeira entre executivos brasileiros: a questão da conciliação entre vida pessoal e profissional. Todos querem ter a fórmula do sucesso de como conciliar família ( as vezes mais de uma ) com as contínuas e crescentes demandas da vida profissional. As empresas com regras e normas mais flexíveis, levam vantagem na retenção de pessoas em função deste critério. Hoje já é comum ouvir de profissionais, que optaram por sair de empresas, em função de não conseguirem reger suas vidas como gostariam ou de preferiram organizações onde a flexibilidade é um ponto forte.

Como estamos falando de profissionais estratégicos, é importante ressaltar que ambientes organizacionais com tecnologia adequada, cumprem o seu papel na busca da retenção. Talvez para atrair não seja um fator perceptível para o profissional que está sendo sondado, contudo, faz com que, sendo mais confortável desenvolver um bom trabalho nesta organização, este profissional leve em consideração este critério em sua escolha.

Possibilidade de carreira e um espaço organizacional que gere aprendizado são genuinamente fatores de atração e retenção. Hoje, a maioria dos profissionais cuida amiúde de seu repertório de conhecimento e busca empresas onde possam crescer horizontal ou verticalmente. No momento de uma escolha, estes fatores podem decidir um futuro.

Remuneração e benefícios são importantes? Com toda certeza, contudo estes cumprem seu papel em atrair, mas não retém e principalmente não geram comprometimento e o sentimento de integração nos empregados. Não sejamos ingênuos, dinheiro move o mundo, portanto retém pessoas, mas as pessoas que vão fazer a diferença não estão em uma organização somente por isto.

Como sua empresa esta cuidando de sua capacidade de retenção?
O que você profissional busca em uma organização?

Nara D´ Oliveira

Diretora

Gestor Consultoria


Volta
 
Home | Candidato | Empresa | Posições | O Comtalento | Notícias | Artigos | Fale conosco
Gestor Copyright© 2006 Gestor Consultoria • Todos os direitos reservados.
Telefone: (91) 3204-1300
Desenvolvimento: Bredi • Criação sob medida