Home > Artigos > Detalhe do artigo

Jogando Dados

Podemos continuar acreditando em destino, que tudo estava escrito como num romance. Fica mais fácil se conformar, afinal não havia nada que pudéssemos fazer, era sua hora. Mas, por alguns instantes, sem nenhum compromisso com a verdade, vamos imaginar como Forrest Gump, que "a vida é como uma caixa de chocolate; você nunca sabe o que encontrar dentro dela".

Como foi o encontro do seu pai, com sua mãe? Justo naquele dia sua mãe saiu com suas amigas, depois de muito insistir com seu avô durante semanas, foram assistir Casablanca. Seu pai, tinha ido com os amigos ver os Irmãos Marx, mas a sessão estava lotada. Para não perder a viagem, paciência, Casablanca. Chegaram atrasados e naquele escurinho o lanterninha apontou uma fileira com três poltronas livres, exatamente ao lado de quem? Mas, imagine que seu pai, um desastrado nato, tropeçou nos pés daquela linda garota. Foi sem querer mesmo, ele não tinha nada de galanteador, era puro desastre. Os pedidos de desculpas foram a senha para que pudessem se perceber. Ao final da sessão, um dos amigos do seu pai conhecia uma colega da sua mãe no colégio. Foram todos juntos para a lanchonete tomar milk shake. Bem, o resto você já sabe, senão você não teria nascido.

Foi assim que você teve a chance de participar daquela incrível prova de natação e sagrar-se campeão, o espermatozóide mais veloz da família. Ironia do destino, hoje você, um sedentário convicto. Mas não foi sempre assim. Aos quinze anos você era o craque de bola da escola, todo mundo queria jogar no seu time. Tanto falaram que um olheiro veio de longe só pra te ver jogar. Na véspera, oh destino não me faça lembrar, tantas ruas esburacadas na cidade e voltando pra casa correndo um pé finca no buraco, um osso quebrado e um novo Pelé deixou de existir.

Isso não é nada. Lembra-se, 17 anos, vestibular. Você era uma fera no cursinho, já que não seria um Ronaldinho, o jeito era estudar. Puxa e como você era bom! Engenharia Eletrônica, o curso mais concorrido na época. Primeiro lugar geral, uma fera! Seis meses depois, uma conversa boba entre amigos, alguém diz: ?Olha, vocês viram um concurso que vai haver? Dois mil reais o salário.? Você, 18 anos, vivendo da mesada do pai, fera do vestibular, não perde tempo e corre pra fazer o concurso para técnico de nível médio numa repartição federal. Moleza, passa e logo é chamado. Continua estudando, você quer mesmo é ser engenheiro, essa grana só vai te ajudar agora, depois muda de emprego.

Claro, tudo certo e planejado, mas e aquela namoradinha? Sete meses de namoro, firme, mas casar não estava nos planos. Maldita fábrica de camisinha, por que logo essa, dentre milhões de unidades produzidas foi estourar, hoje que sua namorada estava fértil? Aí a história não é mais sua, seu filho vem ao mundo graças a essa soma de encontros. Alguém estava jogando dados ou será que estava tudo planejado?

Celso Eluan Lima

Diretor

Sol Informática


Volta
 
Home | Candidato | Empresa | Posições | O Comtalento | Notícias | Artigos | Fale conosco
Gestor Copyright© 2006 Gestor Consultoria • Todos os direitos reservados.
Telefone: (91) 3204-1300
Desenvolvimento: Bredi • Criação sob medida